17 de novembro de 2015

Aos que eram...

Quando teu momento fugaz passar
Tua alegria superficial
Vazia e momentânea se for,
O que será de ti?

Quando voltares teu pensamento,
E tiver vontade de ver
E reviver entre os teus,
Não encontrarás mais o passado.

Verás que ele se foi,
O tempo o perdeu.
Na brevidade dos dias,
Mofou e, aos poucos, se desfez.

O nós e os sorrisos,
sozinho, não sobreviveu.
A alegria se entristeceu,
e contagiou tudo mais pelo caminho.

Nas muitas palavras não ditas,
ao largo, cada vez mais, ficamos,
cada vez menos: nós.
Eu e tu, apenas, como antes.

O que será de mim?
O que será de ti?
Vestígios do que fomos.
Fotografia envelhecida.

O que será de mim?
O que será de ti?
Não mais nós, 
e fim.

Um comentário:

Juliano Cardoso disse...

Parabéns Fernanda! Uma linda e reflexiva olhada para dentro..