24 de junho de 2014

Buscas

Tem dias que a gente se deita, mas esquece de dormir.
Fica pensando no amanhã,
nas tarefas, nos planos, nos trabalhos.
Fica sonhando acordado, refletindo...

Trago no peito um vazio, que domina todo ele;
um desassossego, incompletude,
necessidade de busca, da falta de não sei o quê!?

Uma sensação de estar no caminho errado,
na verdade, parado ao longo... mesmo fazendo tanto.
Contudo, por vezes, não sei, acomete-me a dúvida.
Como um pequeno escorpião, acuado à escuridão, vendo a vida passar preso ao chão.

Recordo que sou como água, não sei represar,
sem perspectiva não sei ficar, sigo para além-mar,
n’um ciclo infinito de recomeçar...

Sigo buscando complementos para o caminho,
que dê-me ânimo, tornem meu riso mais costumeiro.
Um solitário em meio à tantos que busca preencher a alma, aprender; apreender, 
expressar parte de sua percepção sobre o visto; o tudo; o mundo...

Querendo ser como águia que voa alto, contemplando o horizonte mais distante.
Percebo-me, sempre, em busca do novo,
desafios preenchendo os vazios intermináveis,
desejo de influir no mundo...
Inspirações, contradições, como se tentasse harmonizar: água e fogo.

Um comentário:

Mauricio Kfoury disse...

As pessoas especiais,
não se cansam de procurar,
não se cansam de mudar...
assim como a água,
hora são nuvens,
hora escorrem líquidas dentre as rochas, escapando...
as vezes fazem parte de um grande rio,
as vezes de um lindo mar...
voltam a sonhar nas nuvens...
o destino é a viagem.